ACESSIBILIDADE MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE TAMANHO DA FONTE:
  • A+
  • A
  • A-

POSTADO EM 15 Out 2021 · Educação

Educação Sanitária: Direito e dever de todos!

A educação sanitária consiste num processo contínuo que visa promover o conhecimento e, como consequência, mudanças nas atitudes e no comportamento da população diante dos problemas sanitários, melhorando as condições diretas e indiretas de saúde.

A Educação Sanitária se faz fundamental em um contexto escolar como também em casa, para promover hábitos higiênicos necessários à manutenção da saúde e do bem estar. A própria palavra hábito já traduz o objetivo principal: comportamento que se repete periodicamente. Mas a rotina de hábitos higiênicos parece tediosa principalmente para as crianças.

A aplicação de conceitos relacionados com o meio ambiente está se tornando uma necessidade, pois a cada dia vemos nosso planeta ser ameaçado pela poluição, e o pior: o próprio homem é responsável por grande parte da destruição de seu habitat natural.

A educação Sanitária é um dever de todos, sendo assim, a comunidade pode ajudar a melhorar as condições do ambiente em que se vive, como por exemplo:

  • Torne hábito as práticas higiênicas, se interesse pela saúde de seu próprio corpo, não deixando apenas para o médico, o dentista ou educador sanitário cuidar dessa parte;
  • Não descarte lixo em rios ou nas ruas, o local correto é nas latas de lixo;
  • Fique atento aos reservatórios do mosquito da dengue, não deixe acumular água parada;
  • Fique atento nas suas fossas séptica, essa é a forma mais eficiente de tratar o esgoto domiciliar gerado em residências, comércios e outros;

consolidação dos hábitos higiênicos é construída lentamente, e esses hábitos muitas vezes são transmitidos de pais para filhos. Nota-se que a higiene e suas respectivas práticas são componentes culturais. Para a maioria das pessoas com quem lidamos no dia a dia, as práticas de higiene são adquiridas no seu cotidiano, nas relações familiares.

Educar para a saúde é um processo dinâmico, constante nas práticas e nas ações de saúde fundamentadas na vivência sociocultural da população, tendo como objetivo estimulá-la a assumir responsabilidades, a fim de que se torne autônoma, participativa e transformadora da realidade.